terça-feira, 22 de maio de 2018

MAÇONARIA: O SEGREDO É NÃO TER SEGREDO?


QUAL A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS MAÇONS E COMO ELES CONSEGUEM SE MANTER DE MANEIRA TÃO SIGILOSA?
POR MATEUS GRAFF
   
A origem do nome Maçonaria vem do francês "maçon" (pedreiro). Aqui no Brasil, a Maçonaria foi uma Sociedade Secreta até o século 19, e mesmo assim, mistérios e segredos ainda rondam a organização, que teve seu primeiro registro oficial em 1717. Pelo fato da organização ter alguns costumes e perseguições do passado, existem algumas histórias curiosas sobre a irmandade, mas a maioria delas não passam de lendas.
Como em toda organização, a Maçonaria também teve suas mudanças conforme o tempo foi passando, principalmente sobre o anonimato dos integrantes. No mundo existem cerca de 2,3 milhões de maçons, e segundo um artigo do maçom Fabio Pedro-Cyrino (secretário estadual de orientação ritualística de uma das maiores organizações maçônicas do Brasil), o GOSP (Grande Oriente de São Paulo) tem cerca de 214 mil maçons brasileiros.


Mas como a Maçonaria se mantém secreta até hoje?
Na verdade, eles nem são tão secretos assim. E entrevista ao site Vix, o historiador Pilar Gomez, da USP, que estuda a Maçonaria a quatro anos, Pilar afirmou o seguinte: "Hoje várias informações são públicas. Se você perguntar para um maçom, ele não vai dizer que é secreto, mas que é discreto".
Uma pesquisa feita por Tania Andrade Lima e Marília Nogueira da Silva do departamento de antropologia do Museu Nacional, e publicada pela USP, diz que as bases da Maçonaria moderna foram fundadas ainda em 1717. Nesse tempo, os pedreiros da época formaram a ordem, e por terem conhecimento da construção de edifícios de igrejas e castelos, eles eram  os arquitetos e e engenheiros. Por isso, seus segredos sobre o trabalho eram transmitidos apenas para os aprendizes, pois assim evitava que qualquer pessoa roubasse as técnicas.

Mas corporações de ofício, eles se reuniam e guardavam suas técnicas. Após o final da Idade Média, a irmandade começou a aceitar outras pessoas, além de pedreiros. Depois disso, a Maçonaria se tornou uma organização que se dedica a liberdade de pensamento e expressão, religiosa, política, e contra qualquer tipo de absolutismo.
Inclusive, a irmandade teve muita influência na Revolução Francesa e na Independência dos EUA. Aqui no Brasil, a Maçonaria teve uma forte participação na abolição da escravatura, da Independência e da proclamação da República.
O fato da Maçonaria não ser mais secreta vai de encontro com o livro de Martin Short, "Inside the Brotherhood", que diz que os maçons já foram secretos, mas que ao longo do século 20, redefiniram como discretos. Pilar Gomez destaca que na internet existem informações oficiais sobre as reuniões da irmandade. "As lojas do Rio de Janeiro informam os horários de todas as reuniões, a própria maçonaria divulga essas informações", afirma Pilar.
Fazer parte da Maçonaria no século 18 é completamente diferente da Maçonaria do século 21. Para vocês terem uma ideia no século 18, a prática era vista como sociedade secreta, e sendo assim, nem podia existir. Na época, todas as organizações eram obrigadas a entregar listas com os nomes dos participantes. E como a Maçonaria não entregava a lista par as autoridades, foi considerada secreta, e consequentemente, proibida. Talvez isso também tenha aumentado o mistério em volta da irmandade.

PLANOS ECONÔMICOS: PLATAFORMA PARA ADESÃO JÁ DISPONÍVEL

Perdas com planos econômicos: 
plataforma para adesão ao acordo já está no ar
Acordo compensará perdas com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991). Adesão deve ser feita pelo endereço eletrônico www.pagamentodapoupanca.com.br.

Por Laís Lis, G1, Brasília
Plataforma digital que os poupadores terão que usar para aderir ao acordo que prevê a compensação de perdas com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991). (Foto: Reprodução)
Plataforma digital que os poupadores terão que usar para aderir ao acordo que prevê a compensação de perdas com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991). (Foto: Reprodução)



A plataforma digital que os poupadores terão que usar para aderir ao acordo que prevê a compensação de perdas com os planos econômicos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991), já está no ar.

O endereço do site é o www.pagamentodapoupanca.com.br.

Com o lançamento da plataforma, os poupadores, por meio dos advogados, poderão começar a registrar os dados necessários para o processo. O lançamento oficial da plataforma aconteceu nesta terça-feira (22), no Palácio do Planalto.

O acordo prevê que as adesões serão feitas em fases, de acordo com a idade do poupador.

Todas as adesões terão que ser feitas pela plataforma. Nenhuma adesão será feita em agências bancárias. Após o cadastro do poupador, os bancos terão até 60 dias para validar as informações. Se as informações estiverem corretas, os bancos terão até 15 dias para fazer o pagamento da primeira parcela.

Para o poupador que tiver direito de receber até R$ 5.000 o pagamento será à vista.

Além da plataforma de adesão, a associação dos poupadores, a Frente Brasileira pelos Poupadores (Febrapo), também disponibilizou um telefone para dúvidas (0800 7755082). Segundo a Febrapo, desde a divulgação do acordo, a associação já recebeu mais de duas mil ligações de poupadores procurando informações.

Adesão

Ao entrar no portal para a adesão é preciso fazer um cadastro inicial. Para fazer o cadastro, o poupador deve clicar em "Portal de Acordos" no canto superior direito, que o direcionará para a página de habilitação (https://portalacordo.pagamentodapoupanca.com.br/).

Na página inicial da plataforma digital, o poupador encontrará todos os documentos necessários para o cadastro, que incluem documentos dos poupadores ou sucessores, documentos do advogado. Em caso de poupador já falecido, é preciso, por exemplo, da cópia da certidão de óbito do falecido.

FÉ PARTIDÁRIA: AFASTANDO O "REBANHO" CATÓLICO

Padre pede liberdade e bênção de Nossa Senhora para Lula durante missa em Aparecida
Missa das 15h realizada na Basílica de Aparecida do Norte, neste domingo 20, contava com a presença de romaria organizada pelo Partido dos Trabalhadores


http://www.gazetadopovo.com.br
Reprodução/Youtube

Em missa no Santuário de Aparecida neste domingo (20), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi homenageado, com o pedido por sua libertação, na hora das Intenções. A missa das 15h realizada na Basílica de Aparecida do Norte contava com a presença de romaria organizada pelo Partido dos Trabalhadores.

Como parte das tradições da missa católica, o padre João Batista de Almeida falou, durante a hora das Intenções: “Pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para que Nossa Senhora Aparecida o abençoe e dê muitas forças e se faça a verdadeira justiça para que o quanto antes ele possa estar entre nós, construindo com o nosso povo um projeto de país que semeie a justiça e a fraternidade, rezemos ao senhor”.
Procurada, a assessoria de imprensa do Santuário não se manifestou imediatamente sobre as razões para a homenagem feita pelo padre João Batista Almeida durante a missa, e se suas palavras foram redigidas por ele mesmo ou apresentadas pelos romeiros.
 | Reprodução/Youtube
Segundo o PT, os romeiros vieram de várias localidades e a manifestação foi organizada pelo Movimento Mineiro de Fé e Política e pelo Fórum Político Inter-religioso. Eles vestiam camisetas vermelhas com a foto de Lula e carregavam faixas. Diversos registros em foto e vídeo mostram os manifestantes chegando em Aparecida e entrando na Basílica para a missa.
O ato foi planejado desde o começo de maio. No dia 3 de maio, a Arquidiocese de Aparecida divulgou nota sobre o pedido feito pelo PT para que a Basílica recebesse os romeiros, afirmando que o ato seria recebido de maneira democrática, sem apoio partidário.
“O Santuário Nacional de Aparecida é um espaço sagrado que acolhe todos os filhos e filhas de Nossa Senhora Aparecida, sem distinção. Da mesma forma, também é uma Casa que se coloca contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos ou ideológicos. Com base nos valores éticos e cristãos, o Santuário Nacional entende que o momento atual é propicio de reflexão e protagonismo do cidadão ao que tange às escolhas eleitorais, por isso, sob qualquer hipótese se posiciona ou se posicionará em favor de quaisquer líderes políticos, refutando toda e qualquer iniciativa que queira utilizar-se do Altar da Eucaristia para fins de promoção individual ou partidária”, afirmou a Arquidiocese, em nota.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

COMPORTAMENTO: A TRISTE GERAÇÃO QUE PRECISA TER PARA SER


A triste geração que precisa ter para ser.

Por
Estamos testemunhando a era da ‘ostentação’, onde para ser legal e aceito pela sociedade, é preciso usar roupas caras, produtos importados de última tecnologia, dirigir carrões, que custam uma fortuna, mas que muitas vezes, não condizem com os salários e posições de seus respectivos donos.
Algumas pessoas gastam o que não podem, para fingir uma realidade a qual não pertencem, para muitas vezes, impressionar desconhecidos.
Todo esse conceito de provar que ‘pode’ através de bens materiais ou de tudo aquilo que só o dinheiro pode comprar, está silenciosamente, nos condenando a uma eterna insatisfação, uma tristeza crônica, que muitos acreditam poder curar somente com aquisições financeiras.
Infelizmente, esse tipo de comportamento, é o resultado de uma sociedade fútil, capitalista e que a cada dia mais inverte valores, e nos transforma em zumbis perseguidores do dinheiro.
Quero deixar claro, que o inimigo não é o dinheiro, mas sim a ambição desmedida, e a falsa impressão de que ‘ele’ pode comprar tudo e resolver todos os problemas.
Também não é pecado algum, gastar um dinheiro que é seu, que é consequência do seu esforço e trabalho.
O problema é quando queremos viver um estilo de vida que não condiz com a nossa condição real.
Não é feio usar roupas mais baratas ou frequentar lugares mais simples.
Feio é gastar mais do que pode, comprar e não conseguir pagar.
Além do mais, saiba que o sentido da vida e a verdadeira Felicidade que você tanto procura, infelizmente não podem ser encontrados nessas banalidades e modismos ridículos.
Não seja produto dessa sociedade cruel, não se torne um ventrículo nesse espetáculo de manipulação.
Estar na moda e ser elegante tem mais a ver com a sua personalidade, sua educação e comportamento, do que com as roupas que você usa.
Luxo mesmo é levar uma vida decente, com dignidade, amor próprio, e uma consciência limpa que não te faz perder nenhuma noite de sono, pensando nas dívidas que fez, para poder finalmente ter a falsa impressão de ser alguém.
Lembre-se que, ser humano, gentil, educado, humilde, ter paz e saúde, é a única riqueza que ninguém pode, e nunca vai tirar de você.

Jornalista, colunista, filha do Universo e amante da liberdade. Um ser humano que se encanta a cada dia mais com os mistérios da vida e suas dimensões. Escrever pra mim é desejar e eu desejo que seu espirito seja livre e a alma plena. Que o sonhar traga esperança e que a dor traga entendimento. Em minha jornada fiz como missão questionar e explorar os mistérios desse segredo que e viver.

SAÚDE: TRAGÉDIAS CAUSADAS PELA MINERAÇÃO CLANDESTINA

Envenenados por mercúrio, moradores do Tapajós correm riscos graves de saúde

O Boto


Problemas neurológicos, autismo, má formação de bebês, mal de Parkinson, dificuldades de raciocínio, perda de memória, falta de capacidade para manter atenção, problemas de fala, perda de habilidades motoras e visão são cada vez mais comuns nas comunidades e cidades do Tapajós. Por quê? Envenenamento e intoxicação por mercúrio e metilmercúrio através da alimentação. Ingerido, o metal se aloja no cérebro e causa danos irreversíveis.

Cássio chegou em Alter do Chão pouco mais de três anos atrás. Muitos de nós conhecemos o jovem ambientalista que se engajou em causas em defesa do Tapajós contra garimpos ilegais, contra invasão de madeireiros e sojeiros em terras indígenas, pela demarcação de aldeias no Alto e Médio Tapajós e contra desastrosos empreendimentos hidrelétricos de alto impacto para as comunidades e meio-ambiente. Chegou aqui com quase 30 anos e, depois de apoiar voluntariamente vários projetos, foi trabalhar em Itaituba na defesa dos povos Munduruku. Voltou pra casa aos 32 anos, com altíssimo grau de intoxicação por mercúrio — pois, por não comer carne, esbaldava-se em almoços compartilhados onde eram servidos peixes grandes da região. Já em São Paulo, Cássio foi classificado com provável Esclerose Lateral Amiotrófica – ELA, doença sem cura e progressiva que leva a morte em alguns anos.

Mas como o mercúrio está na alimentação?

Mercúrio

Porque é usado no garimpo para extração de ouro. A proliferação descontrolada e criminosa de garimpos se intensificaram desde os anos 70, com o Plano de Integração Nacional e a construção das rodovias Transamazônica e Cuiabá-Santarém.

O rio está contaminado e pede socorro. Os peixes grandes também, com níveis de metais pesados muito acima dos aceitáveis, nacional e internacionalmente, para consumo humano. Esta contaminação é uma das maiores preocupações com saúde pública quando se fala em metal pesado em águas, solo e no ar. Quem diz isso é a Organização Mundial da Saúde da ONU. No Brasil, pesquisas sobre a contaminação da bacia do Tapajós por causa de garimpo ilegal e legal são antigas. Todas alertam faz tempo que é preciso abolir o uso de mercúrio que está afetando a saúde das populações ribeirinhas que dependem de peixe para sobreviver.

O que é bioacumulação?


Árvore, Ser Tecnológico

Metais pesados de rejeitos da mineração, substâncias tóxicas de pilhas e baterias, além de novas substâncias persistentes usadas em cultivo de soja como pesticidas e químicos industriais se acumulam em cada nível da cadeia alimentar. Esse acúmulo é chamado de BIOACUMULAÇÃO. Como a cadeia alimentar tem uma hierarquia, quem está mais alto na cadeia come, por tabela, todo o histórico de veneno do seu alimento. Assim, dentro do peixe grande está um monte de peixinho pequeno já com um tanto de veneno, que comeu um monte de zooplancton também já com veneno, que comeu autótrofos também envenenados. Com o mercúrio se acumulando progressivamente, a quantidade de metal e sua concentração  aumenta a cada nível e os grandes peixes têm alta concentração. Essa ampliação é chamada de MAGNIFICAÇÃO TRÓFICA.


Água, Sua Linda

O Tapajós é um rio que corre em leito de ouro. O garimpo ilegal com dragas e balsas equipadas remexendo o fundo do rio não é de hoje (http://goo.gl/6Glkti, http://goo.gl/HBblrX). Com muito mercúrio, cianeto e arsênio acumulados nos sedimentos no fundo do rio, quando a draga está funcionando, todo o leito é remexido e além do novo mercúrio adicionado, os metais pesados que estavam lá desde os anos 70 também volta para as águas. Embarcações de carga com motores muito grandes que agora também vão para cima e para baixo no Tapajós fazem o mesmo mal ao leito do rio.

Em relação às dragas ilegais, todos sabem que a situação está fora de controle. Caetano Scannavino esteve recentemente na aldeia Munduruku Sawré Muybu, no médio Tapajós, e filmou a invasão de garimpeiros ilegais em terras indígenas protegidas (https://goo.gl/r4KqRu). O Padre Edilberto Sena, coordenador do movimento Tapajós Vivo, denunciou as mais de 70 dragas ilegais no alto curso do rio (http://goo.gl/KDySSo,http://goo.gl/4TqnaM). Elas são ilegais, mas não são invisíveis: o rio é rota de passagem entre todas as comunidades ribeirinhas da região.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

POLÍTICA: INDÍGENAS SE ARTICULAM PARA CONFRONTAR BANCADA RURALISTA


Indígenas articulam eleger bancada para fazer frente a ruralistas
Meta é ter um representante por Estado no Congresso para defender terras ameaçadas por pressão de fazendeiros e empresários, denunciar assassinatos e desmonte da Funai

Índios durante protesto em Brasília nesta quinta-feira.
Índios durante protesto em Brasília nesta quinta-feira. ERALDO PERES APF

A bancada ruralista no Congresso cresceu desde 2014, e ganhou fôlego com a entrada do Governo Michel Temer, que passou a usar as terras indígenas como instrumento de barganha para manter o apoio desses parlamentares. Para reagir a esse quadro, representantes de cerca de cem povos indígenas brasileiros se comprometeram nesta quinta-feira a apoiar candidaturas de índios e índias para o parlamento e para a vice-presidência da República. De simples espectadores da política, eles agora querem se tornar protagonistas. A meta é ousada: eleger ao menos um índio por Estado que lançar candidatura. Um levantamento prévio feito pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), constatou que há ao menos 36 pré-candidatos aos cargos de deputado estadual, deputado federal e senador que se declaram índios de diversas etnias e buscam o apoio de seus “parentes”, como eles se chamam. Hoje há mais de 800.000 indígenas no país, uma força importante que quer ver-se melhor representada no Congresso para defender sua cultura e suas terras, constantemente ameaçadas pela invasão do homem branco, e para denunciar os assassinatos.

Entre os pretensos ocupantes das cadeiras de autoridades, estão correligionários dos extremos do espectro político. Tem desde Sônia Guajajara, candidata a vice-presidente de Guilherme Boulos, do esquerdista PSOL, até militantes do PSL, o partido do deputado de extrema direita Jair Bolsonaro. No evento, também se apresentaram como candidatos índios políticos vinculados ao PP, REDE, PV e PCdoB. “Não estamos preocupados com os partidos. Nossa causa é a causa indígena, diz o advogado Dinamã Tuxá, um dos coordenadores nacionais da APIB. “Fomos colonizados há 518 anos. Cabe a nós nos descolonizarmos, mas, para isso, temos de eleger os nossos parlamentares”, completou Dinamã, natural do povoado Tuxá, da Bahia.

Desde Mario Juruna, que ocupou uma vaga de deputado federal pelo PDT do Rio de Janeiro entre 1983 e 1987, nenhum outro indígena esteve no parlamento brasileiro. Há dezenas deles em Câmara Municipais e nenhum em Assembleias Legislativas. “No Congresso Nacional temos apenas simpatizantes. Militantes em movimentos sociais que nos ajudam, mas não pensam como pensamos. Não conhecem nossas necessidades de fato”, afirmou Marivelton Barroso, presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro. Do povo Baré, Barroso representa um grupo de 40.000 índios, de 23 povos que vivem no noroeste do Amazonas. Os anúncios das pré-candidaturas juntamente com os pedidos de apoios foram feitos como um dos atos de encerramento do Acampamento Terra Livre (ATL), em Brasília. O acampamento na capital ocorre anualmente e está em sua 15ª edição. Desta vez aconteceu entre os dias 23 e 26 de abril e reuniu milhares de indígenas na capital do país.

Desmonte da Funai

Pelo segundo ano seguido, o ato testemunhou o governo federal demitindo o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), o órgão responsável pela política indigenista, durante os dias do encontro. Nas duas ocasiões, a razão para a queda do chefe da Funai foi o mesmo: queixas da bancada ruralista que não se sentiam seguras com o comando da fundação. Os parlamentares temiam que houvesse um avanço das demarcações de terra pelo país e, consecutivamente, houvesse uma redução das áreas dos grandes latifundiários.

O general Franklimberg Freitas, que ocupava a presidência da Funai, pediu demissão alegando pressão dos ruralistas. Agora, o cargo passa a ser ocupado por Wallace Moreira Bastos, um empresário e pregoeiro sem nenhuma experiência com a questão indígena. “O desmonte da Funai é feito pelo Congresso Nacional com a anuência do presidente. Eles colocam políticos em cargos técnicos para evitar que nos atendam”, afirmou Dinamã Tuxá. No documento firmado ao fim do encontro, os representantes dos povos indígenas foram explícitos na crítica ao novo presidente do órgão. “Não aceitamos o loteamento político da FUNAI, especialmente para atender interesses da bancada ruralista e demais setores anti-indígenas, como as últimas nomeações de presidentes, incluindo a do Sr. Wallace Moreira Bastos, cujo currículo denota completa ignorância das questões indígenas”.

Índios pintam o chão para simbolizar o genocídio indígena no Brasil.
Índios pintam o chão para simbolizar o genocídio indígena no Brasil. ERALDO PERES AP

Além de protestar pelas trocas no comando da Funai, os participantes do ATL fizeram ao menos duas manifestações pelas ruas de Brasília. Na quarta-feira, estiveram em frente à Advocacia Geral da União para reclamar do parecer 001/2017 que criou regras para dificultar demarcações de terras indígenas. Esse documento estabeleceu que só poderão ser demarcadas áreas ocupadas pelos índios até a data da promulgação da Constituição Federal de 1988. Já na quinta-feira, estiveram em frente ao Palácio do Planalto e ao Ministério da Justiça para protestar contra o genocídio em terras indígenas. Os protestos reuniram entre 1.500 e 2.000 pessoas de acordo com a Polícia Militar.

Para tentar amenizar as críticas a sua falta de atenção para com os índios, o presidente Michel Temer (MDB) anunciou nesta quinta-feira que homologou a demarcação administrativa da terra indígena Baía do Guató, no Mato Grosso. Uma área de 20.000 hectares na cidade de Barão de Melgaço deixa de ser de fazendeiros e passa a ser dos índios. Apesar de tentar parecer que era um ato de boa vontade com os Guató, Temer só o fez por conta de uma decisão judicial. É a primeira homologação de seus dois anos de governo. Enquanto as demarcações estão empacadas, há 400 áreas reivindicadas por indígenas que aguardam o andamento dos trâmites na Funai.

Cacique Raoni

O coro pelas candidaturas indígenas foi reforçado pelo famoso cacique Raoni Metuktire, da etnia caiapó. Em sua língua nativa, ele fez um discurso para os 3.500 participantes do ATL conclamando os índios a não brigarem entre si e, ao invés de votarem nos brancos, apoiarem seus pares. “Essa união tem de ser mantida”, afirmou o cacique, segundo o apresentador do evento que traduziu o discurso de Raoni do caiapó para o português.

O cacique também cobrou que os jovens passem a participar com maior afinco da política. “Já tenho bastante idade. Um jovem tem de aparecer para trabalhar como eu e o Juruna trabalhamos”. Militante veterano, a data de nascimento de Raoni é incerta.

Seus biógrafos estimam que ele tenha nascido entre 1930 e 1932. Ele ficou conhecido mundialmente pela preservação dos povos indígenas da Amazônia. Na década de 1950, aproximou-se dos famosos irmãos indigenistas brasileiros Orlando, Cláudio e Leonardo Villas-Bôas. É quase uma unanimidade entre o seu povo. Durante o ato de encerramento do ATL um dos poucos momentos em que todo o público se calou foi para ouvi-lo discursar. Após sua fala, vários pré-candidatos fizeram fila para posar para fotos ao seu lado. “Um santinho com o cacique Raoni vale muito para a minha candidatura”, afirmou um dos índios que disputará uma vaga no Congresso.

Indígena no Acampamento Terra Livre, em Brasília.
Indígena no Acampamento Terra Livre, em Brasília. CARL DE SOUZA AFP

quarta-feira, 16 de maio de 2018

POLÍTICA: "MEIO AMBIENTE NÃO É MERCADORIA"


Servidores do ICMBio protestam contra indicação política
WhatsApp Image 2018-05-14 at 10.44.08

Cerca de 100 servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio) vão entregar nesta tarde, às 15h30, uma carta de protesto ao ministro interino do Meio Ambiente, Edson Duarte, contra a indicação política para a presidência do órgão. Pela manhã, fizeram um ato em frente à sede, em Brasília, para definir os rumos do movimento e traçar as estratégias. Às 14h, voltam a se encontrar para a Asibama concluir em conjunto os termos do documento que será levado ao ministério. Às 15h30, querem estar na presença de Edson Duarte
Recentemente, por meio da Associação dos Servidores de Carreira de Especialista de Meio Ambiente do Distrito Federal (Asibama-DF) e da Associação Naciona (Ascema), os funcionários publicaram uma carta aberta de repúdio à possibilidade de o cargo máximo do órgão vir a ser ocupado por Moacir Bicalho, vice-presidente do PROS, “partido que defende a agenda ruralista, que tem gerado imensos impactos ambientais e sociais”.
De acordo com a carta, a indicação Moacir Bicalho está sendo atribuída ao ministro Carlos Marun, um dos principais aliados de Eduardo Cunha e atual secretário do governo Temer. “O nome cotado para assumir a presidência do ICMBio teve seu nome envolvido por um delator na Operação Lava Jato, conforme noticiado pela Revista Veja em 01/05/2017”, denuncia a carta – Bicalho foi acusado de ter sido o responsável por entregar, ilegalmente, um pacote de dinheiro da Construtora Odebrecht ao partido, na campanha de 2014.
Os protestos são contra “o loteamento de funções públicas no ICMBio”, já que várias coordenações já foram entregues aos interesses políticos regionais, “com apoio do governo federal”. Os servidores alertam que o Instituto é responsável por 333 unidades de conservação federais que correspondem a 9 % do território continental e 24% do território marinho. Tem a importante missão de “proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental, que não pode ser entregue – o que vai acontecer pela primeira vez – a dirigentes sem experiência na área ambiental e por conveniências e acordos políticos”.
“Em um contexto de imensa fragilidade das políticas públicas, a possibilidade da nomeação do Sr. Moacir Bicalho coloca em risco o bom desempenho da missão institucional do ICMBio, tendo em vista que não se pautará por critérios técnicos e pelo conhecimento dos desafios da gestão ambiental, mas para viabilizar acordos políticos pautados por interesses partidários espúrios. Nossos cargos de chefia não podem ser utilizados como moeda política! Meio ambiente não é mercadoria!”, se queixam.
O ICMBio entrou na mira dos políticos desde que foi aprovada a troca de multas ambientes por projetos de compensação, com potencial de R$ 1,2 bilhão na distribuição de recursos. A assessoria de imprensa do ICMBio informou que, até o momento, “não teve informações oficiais sobre o futuro ocupante do cargo de presidente”, vago com a saída de Ricardo Soavinski para a Sanepar, companhia de saneamento do Paraná.

RELIGIÃO: "CONHECEIS A VERDADE E ELA VOS LIBERTARÁ".


CIÊNCIA AFIRMA QUE LIVROS DE CHICO XAVIER FORAM ESCRITOS POR PESSOAS DIFERENTES, COMO?
POR MATEUS GRAFF   
 
Vocês sabem que foi Francisco Cândido Xavier? O cara foi o maior médium brasileiro, além de ser filántropo e também um dos mais importantes expoentes do Espiritismo. Chico assinou a publicação de incríveis 412 obras literárias, tendo como o mais famoso "Nosso Lar". O livro foi publicado em 15 idiomas e teve 2,5 milhões de vendas.
Mas o que pouca gente sabe é que Chico dizia que ele não era o autor dos livros e que todos fora psicografados. Com uma produção incrível, até o escritor Monteiro Lobato ficou impressionado com a quantidade de livros escritos por Chico. Certa vez ele declarou o seguinte: "se Chico Xavier produziu tudo aquilo por conta própria, então ele merece ocupar quantas cadeiras quiser na Academia Brasileira de Letras".
Recentemente, por meio da tecnologia, parece que descobriram que os livros realmente não foram escritos por Chico Xavier. Mas como isso foi descoberto? A gente explica para vocês.
Inteligência artificial faz análise das obras de Chico Xavier

 

Usando uma técnica chamada machine learning (forma de aprendizado de padrões pelos computadores), uma análise foi feita sobre os livros escritos por Chico. O objetivo era entender se o estilo literário de suas obras poderiam indicar que houve a participação de outras "pessoas". O resultado? Vários escritores diferentes participaram da construção das obras.
Milton Stiilpen Jr., um dos autores do estudo realizado pela empresa Stilingue, diz que "para as pessoas de fé, as evidências reforçam suas crenças. Para os céticos ao espiritismo, temos evidências científicas que mostram que as obras são distintas em estilo."
Como a análise é feita?

Acreditem, já existe tecnologia capaz de identificar estilos literários e até reproduzir novos textos a partir desses estilos. O método aplica tais técnicas de "machine learning" em uma série de conteúdos para criar um modelo de linguagem padrão. Depois, o computador colhe um trecho de uma obra e usa o modelo padrão (chamado de 'bot') para continuá-lo e garantir a manutenção do estilo do autor.
Esse mesmo processo é feito várias vezes até que se reproduza textos com forma literária parecida com os textos originais. O primeiro experimento desse tipo foi desenvolvido a partir de duas técnicas de "machine learning", a Redes Recorrentes Simples e a LSMT (long short-term memory), para investigar as obras de William Shakespeare.
A aplicação bem sucedida do escritor inglês fez os cientistas da Stilingue (empresa de tecnologia especializada em análise de textos) replicá-la em obras brasileiras. Os livros escolhidos foram de Paulo Coelho e de Chico Xavier.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

COMPORTAMENTO: "EITA MUNDINHO QUE ESTÁ CHATO"!


Gostaria de começar pedindo desculpas

Por


Peço desculpas, mas já não tenho tempo para brigar com egos e discutir com mentes pequenas. Eu não tolero mais pobreza de espírito. O mundo já é difícil como é; eu, e certamente você também, não precisamos de mais drama, gente complicada, banalidades, e tudo aquilo que não nos acrescenta nada.
Revolta? Não, de jeito nenhum
A maturidade faz com que nos importemos menos com o que não importa. Nos termos atuais não tenho mais saco para ‘mimimi’, tenho pavor de quem vive achando que tudo é ‘recalque’, não suporto superficialidade, porque sou à moda antiga e ainda aprecio valores, honestidade e gente digna.
Eu ainda acredito que pessoas boas existem, e as quero o mais perto possível, porque gente do bem me inspira, gente do bem me faz querer ser melhor, mais e mais.
pedindo desculpas
Não posso, não quero e não vou ser coadjuvante no palco da vida, é nossa tarefa tomar as rédeas do nosso destino. Não seja a vítima da história, nunca se acomode nem aceite o que não está bom, o que não é bom.
Que o bom senso prevaleça, que você passe pela vida de cabeça erguida, sem perder a pureza no coração, sem se rebaixar ao nível de quem não sabe amar, de quem não sabe viver.
Para os obstáculos, os dias difíceis, a resposta é resiliência e fé em Deus.
Fuja das almas vazias, fuja de gente que fala de gente, discuta ideias, preocupe-se mais com a sua vida, e deixe de se preocupar com a vida do ‘vizinho’.
Já dizia o poeta, tudo vale a pena se a alma não é pequena
Não tenha alma pequena, pense grande, faça coisa grandes, e ocupe-se com o que fará uma diferença significativa na sua vida. O resto será sempre o resto, e nós nunca precisamos de restos para sermos felizes, certo ?
Para resumir, o que eu quero dizer é: cuide, respeite e seja fiel a sua essência. Em tempos de superficialidade aguda, feliz é aquele que aprendeu que é na simplicidade, na humildade e nas coisas pequenas que mora a verdadeira felicidade. O que sobra é só ilusão, e quem se ilude normalmente se machuca. A escolha é, e sempre será, só sua.
Então, afaste-se das desculpas e escolha com sabedoria!
Paz, luz, amor e muita gratidão na vida de todos vocês!

MAÇONARIA: O SEGREDO É NÃO TER SEGREDO?

QUAL A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS MAÇONS E COMO ELES CONSEGUEM SE MANTER DE MANEIRA TÃO SIGILOSA? POR   MATEUS GRAFF      A origem do ...