quinta-feira, 13 de julho de 2017

SAÚDE: STRESS, COMPANHEIRO INSEPARÁVEL DOS TEMPOS MODERNOS

Como o stress pode acabar com você, 
passo a passo
TED divulgou um vídeo onde cita 22 problemas de saúde gerados ou agravados por conta do stress repetitivo


Depressão, Lesão por Esforço Repetitivo (LER), Stress. Essas são apenas algumas das doenças que surgiram (ou pelo menos se agravaram) com as transformações que passamos no último século, sobretudo, no ambiente de trabalho. Hoje, vamos falar especialmente sobre a terceira.

Viver estressado se tornou uma rotina para muitos de nós de tal modo que alguns não conseguem mais dissociar os efeitos colaterais que a doença provoca de suas próprias personalidades. Acontece que submeter o corpo a um nível de pressão tão elevado tantas vezes pode até provocar efeitos positivos a curto prazo, mas cobra um preço muito alto depois.

O TED divulgou esse videozinho com animações que apresenta algumas das consequências que o stress provoca no nosso corpo. Como o vídeo só tem a opção de legenda em espanhol, listamos abaixo os pontos principais da “aula de hoje”. Veja só:


1. A curto prazo, o stress pode trazer efeitos positivos (como um ganho de desempenho), mas quando nos submetemos a situações estressantes muitas vezes ou por muito tempo, os efeitos aparecem não só no nosso cérebro como em outros órgãos e células.

2. Em situações estressantes, a nossa glândula renal produz hormônios que caem na corrente sanguínea e provocam efeitos como o aumento do ritmo cardíaco.

3. O batimento acelerado do coração eleva a pressão arterial. Se nos submetemos a essa situação muitas vezes, podemos desenvolver hipertensão. É o primeiro dos problemas.

4. O cortisol (hormônio liberado sob stress) altera o funcionamento do endotélio (revestimento interno das artérias) e isso pode provocar aterosclerose(entupimento dos vasos sanguíneos). É o segundo problema.

5. A aterosclerose aumenta a possibilidade de ataque cardíaco ou derrame cerebral (AVC). Até aqui já citamos quatro problemas.

6. Quando o cérebro detecta stress, emite um sinal para o sistema nervoso que se comunica com o intestino. É aí que surge aquela sensação de “borboletas no estômago”. Essa situação altera o funcionamento do intestino e provoca a síndrome do intestino irritável. Já são cinco problemas.

7. Essa síndrome pode tornar o intestino mais sensível a ácidos provocando dor de estômago (seis), gerando gastrite (sete) e, em casos mais graves, úlcera (oito).

8. O stress também pode provocar um desequilíbrio nas bactérias do estômago, alterando seu processo de digestão. É o nono problema.

9. Além disso, um dos hormônios liberados no stress aumenta o apetite e o corpo pede energia geralmente com alimentos muito calóricos e carboidratos. Esses alimentos acumulam gorduras viscerais e não bastasse o sobrepeso (dez), liberam uma substância química chamada citoquina que aumenta o risco de doenças crônicas como problemas cardíacos (11) e diabetes (12).

10. Os hormônios do stress também afetam as células responsáveis pela imunidade. No início, esses hormônios até ajudam a não ficar doente e curar lesões, mas a longo prazo, eles limitam a atuação dos glóbulos brancos tornado-os mais suscetíveis a infecções (13).

11. O stress também afeta a reprodução celular. Isso porque ele interfere na parte da célula que recobre o DNA responsável por conectar uma na outra, assim elas acaba morrendo e gerando nosso décimo quarto problema.

12. Se já não é o suficiente, stress repetitivo pode ser o responsável pelo surgimento de acnes (15), queda de cabelo (16), disfunção sexual (17), dores de cabeça(18), tensão muscular (19), dificuldade de concentração (20), fadiga (21) e irritabilidade (22).

13. Concluindo. Sua vida sempre estará suscetível a situações estressantes e isso você geralmente não pode mudar, o que se pode fazer é aprender a lidar com elas. Em geral, o segredo é enxergar essas situações como desafios que você pode controlar, ao invés de ameaças insuperáveis.

14. Dessa maneira, você pode lidar melhor com os problemas a curto prazo e estará mais saudável a longo prazo.

E aí? Já passou da hora de mudarmos nosso ritmo de vida? Conta aí nos comentários se você conseguiu superar essa situação.


Novo editor do PapodeHomem, é (quase) formado em jornalismo pela ECA-USP onde administrou a Jornalismo Júnior, organizou campeonatos da ECAtlética e presidiu o JUCA. Siga ele no Facebook e comente Brenão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião sobre isso?