quinta-feira, 7 de julho de 2016

SAÚDE: PORQUE NÃO ENVELHECEMOS NO MESMO RITMO?

Cientistas foram pesquisar por que nem todos envelhecem no mesmo ritmo
Uma equipe internacional de cientistas descobriu que o tempo em que nós estamos no planeta não necessariamente reflete nossa idade biológica. 
De acordo com um novo estudo, alguns envelhecem mais rápido que outros e pode haver variações significativas na forma como nossos corpos se tornam à medida que nos desenvolvemos quando adultos. 
A equipe analisou marcadores fisiológicos em quase mil indivíduos de 38 anos. Embora a maioria tivesse idade biológica semelhante à registrada em sua certidão de nascimento, alguns pareciam muito mais jovens ou mais velhos, com base em uma série de exames médicos. 
Os marcadores utilizados para medir a idade biológica incluíam pressão arterial, função de órgãos, metabolismo, níveis de colesterol e aptidão cardiovascular. Esses marcadores foram avaliados nas idades de 26, 32 e 38 anos. Ao olhar para as medições ao longo do tempo, os acadêmicos foram capazes de produzir uma “taxa de envelhecimento” de cada participante no estudo. 
As idades biológicas em todo o grupo de 38 anos de idade variaram de 28 a 61 anos. “Antes da meia-idade, os indivíduos que estavam envelhecendo mais rapidamente eram menos fisicamente capazes, mostrando declínio cognitivo e envelhecimento do cérebro, além de registrarem pior saúde, parecendo mais velhos”, explica o relatório, que foi publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências. 
Os dados foram extraídos do Estudo Dunedin, um projeto de investigação histórico que tem funcionado desde 1972. No total, houve informações suficientes para trabalhar com 954 dos 1.037 participantes originais no Estudo Dunedin.
Os pesquisadores também contaram com a ajuda de um grupo de voluntários para avaliar as idades de participantes, baseados em suas fotos. Não é novidade que aqueles que tinham idade biológica mais elevadas também pareciam mais velhos, embora o processo de envelhecimento normalmente afete funcionamentos internos do nosso corpo antes de nossa aparência exterior começar a mudar. 
Nem tudo tem a ver com nossos genes. “Há uma grande quantidade de influência ambiental”, diz Dan Belsky, professor-assistente de geriatria no Centro da Universidade de Duke, um dos autores do relatório, dando aos pesquisadores alguma esperança de que tratamentos médicos possam desacelerar o processo de envelhecimento e melhorar a qualidade de vida em fase posterior da vida. 
A maioria dos estudos de envelhecimento analisa idosos, mas, se queremos ser capazes de prevenir doenças relacionadas com a idade, temos que começar a estudar o envelhecimento em pessoas jovens. À medida que envelhecemos, o nosso risco aumenta para todos os tipos de doenças. Para evitar várias delas, como doenças cardíacas ou câncer, simultaneamente, o próprio envelhecimento tem que ser o alvo”, disse Belsky.
[ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião sobre isso?