sexta-feira, 11 de setembro de 2015

ALIMENTAÇÃO: ALIMENTOS SAUDÁVEIS? SIM, MAS PODEM ATRAPALHAR SUA DIETA

Conheça 13 alimentos que parecem saudáveis, mas podem sabotar a dieta
Noelle Marques
Do UOL, em São Paulo

Quando se fala em dieta é fácil imaginar um café da manhã com iogurte e granola, um lanche com blanquet de peito de peru e queijo branco, muito suco natural de frutas e comida japonesa no jantar para arrematar. Entretanto, alguns alimentos que a princípio parecem inofensivos podem se tornar verdadeiros vilões para quem quer emagrecer.
Veja 13 vilões da dieta

Granola

O consumidor deve ficar atento aos ingredientes que compõem a granola, pois muitas têm uma grande quantidade de açúcar, deixando alto o teor de carboidratos do alimento. Foto: Getty Images



Barrinha de cereal

Os produtos mais populares disponíveis nos supermercados têm baixa quantidade de fibra e alta presença de açúcar. A pessoa que está de dieta deve procurar por aquelas que tenham pelo menos 4g de fibra. Foto: Thinkstock


Água com sabor

Atenção ao aromatizante artificial presente no produto industrializado! O teor de sódio da bebida também pode ser uma pegadinha para quem retém muito líquido. O ideal é beber águas aromatizadas em casa, com folhas de hortelã ou pedaços de abacaxi, por exemplo. Foto: Reinaldo Canato/UOL

Oleaginosas

Comer acima de 20g de oleaginosas pode comprometer a dieta, já que elas são ricas em gordura. Para se ter ideia, uma castanha do Pará pode ter caloria equivalente a uma fatia de pão integral, dependendo do tamanho. O alimento é uma ótima combinação com frutas, pois diminui a absorção da glicose. Foto: Flávio Florido/Folhapress

Açaí

A fruta tem alto teor de carboidrato e é bastante calórico. Os tradicionais acompanhamentos do prato, como granola, leite condensado e banana, são dispensáveis. Foto: Rogerio Canella/Folhapress



Comida japonesa

O arroz da comida japonesa pode receber açúcar durante o preparo. O shoyu, molho de soja muito consumido com os alimentos, tem alto teor de sódio e ajuda na retenção de líquido. Além disso, o salmão é considerado um peixe gordo, isto é, com nível alto de gordura. Foto: Getty Images

Frutas

Fonte de frutose, que gera uma rápida absorção de glicose, as frutas também devem ser consumidas de forma moderada, pois podem gerar uma reserva de gordura. O horário de consumo também deve ser observado, dando prioridade para consumir antes de se fazer exercícios. Foto: Reprodução/Nutritional Benefits

Bolacha de água e sal

Quanto mais crocante o alimento, maior será sua fonte de gordura. O alimento não tem fibras, por isso os carboidratos são absorvidos rapidamente, semelhante ao pão branco. Foto: Getty Images



Iogurte

O alimento pode ser rico em gordura, por isso o consumidor deve ficar atento na hora de comprar. Dê preferência aos desnatados, com teor baixo de gordura, sem aromatizantes e conservantes. Foto: Thinkstock


Suco natural

Um copo de suco de laranja pode ter até 300 calorias. Isso porque se utiliza muitas frutas para conseguir fazer a bebida. O suco também tem rápida absorção porque não tem fibras. Dê preferência a sucos com baixo índice glicêmico, como o de melão. Foto: Thinkstock

Queijo branco

Fonte de gordura, o queijo branco deve ser consumido com moderação. O indivíduo pode alternar o consumo com queijos mais magros, como a ricota e o cottage. Foto: Douglas Lambert/Folhapress


Blanquet de peru

É um alimento embutido que contém nitrito e nitrato como conservantes principais. Essas substâncias são cancerígenas, fato comprovado por estudos científicos. O blanquet de peru e o presunto acabam tendo a mesma qualidade nutricional. Foto: Getty Images

Sopa pronta

Um caldo pode ter até 2.000 mg de sódio, por isso as sopas prontas não são indicadas para quem deseja emagrecer. Foto: Divulgação



Fontes: 
Elaine de Pádua - nutricionista mestre em Ciências da Saúde pela Unifesp, pós-graduada em Nutrição Funcional pela Universidade Cruzeiro do Sul e especialista em Adolescência para equipe multidisciplinar pela Unifesp
Roseli Ueno Ninomiya - nutricionista formada pela USP e especialista em equipe multidisciplinar na Adolescência pela Unifesp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião sobre isso?