quarta-feira, 17 de junho de 2015

BRASIL: O PAÍS DOS CRIMES "COLORIDOS"

Dois pesos e duas medidas 
( um branco e o outro preto)
Enviado por  Lelê Teles
via Guest Post para o Portal Geledés
Rio de Janeiro.
um branco e o outro preto
 Uma imagem, mil palavras.

Dois crimes cometidos com arma branca. Duas detenções e dois brasis.

O garoto da esquerda tem 16 anos, é morador de Manguinhos, uma favela. Foi acusado de ter matado, a facadas, um médico na Lagoa Rodrigo de Freitas.

Como se tratava de pobre matando rico, houve comoção nacional.

O garoto negou o crime. Mesmo assim, teve as mãos algemadas, para trás, e foi escoltado por três marmanjos, dois deles o erguiam pelo colarinho, aplicando uma força desnecessária e cruel.

O espetáculo visava, apenas, humilhar o detido.

Inocente, diga-se.

O da direita é bandido, confesso, tem 28 anos, é branco e rico. E isso muda tudo.

Veja como ele é conduzido pelo policial. O agente toca no braço do bandido com suave delicadeza.

Parece constrangido por ter que fazer o seu trabalho.

O garotão, um homem de bens, tem oito passagens pela polícia por lesão corporal, invasão de domicílio e constrangimento ilegal.

Tem fama de ser violento.

No sábado, o garotão, de nome José Philipe Ribeiro de Castro, foi preso por atingir uma jovem, de 21 anos, com três golpes de saca-rolha na altura do peito.

A moça está na UTI.

O noivo tentou defendê-la e teve a orelha decepada por José Phillipe, o garotão.

O crime aconteceu neste sábado, na Gávea.

O jornal O Globo informa que a família do garotão é “dona de uma usina de açúcar e faz negócios no ramo da pecuária e no mercado financeiro.”

Ele está sendo atendido por um famoso escritório de advocacia.

Ninguém até agora o chamou de monstro insensível, ninguém pediu a sua morte, como pediram a do garoto pobre.

Nada de Sheherazades.

A criminalização da pobreza, o ódio e o desprezo pelos pobres é uma estratégia dos homens de bens. É uma forma de manterem os seus privilégios e continuarem sendo violentos, arrogantes e hipócritas, sem serem incomodados.

A estratégia é mostrar que violento é sempre o outro. Tanto é que “homens de bens” virou sinônimo de “homens de bem”.

Nunca vamos assistir ao linchamento de um bandido branco e rico, porque para esse sempre haverá um psicólogo a justificar suas diabruras, uma mídia amiga e uma sociedade pronta a passar a mão na sua cabeça.

Quando o poderoso Thor atropelou um homem pobre com a sua máquina fetiche, havia muita gente disposta a acreditar que o ciclista é que tinha atropelado a Mercedez.

Mesmo os pobres fizeram graça com o crime de Thor, nada de ódio.

Assim como as crianças ricas são educadas para dar ordens e desprezar os pobres; os pobres foram ensinados a ser condescendentes com os ricos.

A morte do médico, na Lagoa, mobilizou jornais e revistas, e mobilizou a burguesia que pedia punição exemplar e cana dura para todo adolescente pobre que cometer um crime.

Mas até agora, nem um julgamento moral sobre Phillipe.

Os advogados disseram que já estão trabalhando para libertá-lo.

No episódio da Lagoa, Big Foot, o governador midiático, resolveu proibir que até vendedor de laranja ande com uma faca.

Resta saber se agora vão proibir, também, o uso de saca-rolhas em casa de vinhos.

Palavra da salvação. Lelê Teles

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião sobre isso?