terça-feira, 13 de maio de 2014

COPA DO MUNDO: IMPRENSA ALEMÃ DESTACA VIOLÊNCIA NO BRASIL

Revista alemã destaca greves, atrasos e violência no Brasil: "Morte e jogos"

Uma das principais publicações do país europeu, “Der Spiegel” produz série de reportagens com críticas à organização da próxima Copa do Mundo

Por GloboEsporte.com Berlim
Reprodução revista Der Spiegel (Foto: Reprodução / revista Der Spiegel)
Revista faz reportagem especial em torno
dos problemas no Brasil (Reprodução / Der Spiegel)
Alvo de críticas em diversas publicações pela Europa, a Copa do Mundo no Brasil entrou na mira agora da revista alemã “Der Spiegel”, uma das principais do país. Com o título “Morte e jogos”, ela estampa em sua capa uma imagem do Rio de Janeiro com uma bola de fogo sobrevoando a cidade que receberá a final do torneio.

O conteúdo reúne três matérias que totalizam 10 páginas da edição e não economiza nas críticas ao Brasil. Intitulado "Gol contra do Brasil", o artigo assinado pelo repórter alemão Jens Glüsing fala das notícias sobre protestos, greves, problemas com infraestrutura e violência.

- Nas favelas do Rio, policiais e traficantes se enfrentam de maneira sangrenta. Em São Paulo, gangues queimam ônibus quase todas as noites – informa o jornalista, ao descrever o clima que encontrou no Brasil.

A revolta com as imposições da Fifa para a realização do Mundial e a frustração diante da situação atual política do Brasil, após um período de otimismo, também são itens citados pelos alemães.

Outra matéria leva o título de "Caçando elefantes brancos" e destaca os gastos do poder público para a construção de estádios. Além disso, lembra que parte dos grandes projetos prometidos pelo governo não saíram do papel, como no caso do trem-bala que ligaria o Rio de Janeiro a São Paulo, ou foram alterados.

A reforma do Maracanã, aliás, recebeu um destaque especial na matéria dos estádios.

- Hoje o Maracanã tem a cara de qualquer estádio da Fifa. Podia estar em Londres, em Frankfurt ou em Yokohama - diz a matéria, assinada pelos jornalistas Jens Glüsing e Maik Grossekathöfer.

O último dos três artigos é escrito pelo brasileiro Luiz Ruffato, que destaca a criminalidade no Brasil. Com o título "Sempre fomos violentos", ele cita acontecimentos da história brasileira e da cultura do país.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião sobre isso?